Bombas Anfíbias: Maximize a perfomance com dicas simples

  • Post category:Helibombas
You are currently viewing Bombas Anfíbias: Maximize a perfomance com dicas simples

Descubra como usar sua bomba com a máxima capacidade e evitar falhas

Ao escolher uma bomba anfíbia, a ideia é encontrar um equipamento que possa bombear diferentes tipos de líquidos diariamente. E a primeira questão é, exatamente, escolher a bomba certa. Depois, é importante maximizar seu funcionamento ao nível mais eficiente possível.

Como aumentar a eficácia de sua bomba anfíbia

Algumas dicas simples são essenciais para garantir uma performance otimizada1. :

1. Ponto de Melhor Eficiência

O Ponto de Melhor Eficiência – traduzido do inglês Best Efficiency Point (BEP) – é o fluxo em que, pelo diâmetro do rotor, a bomba é capaz de operar em sua máxima eficácia. Nesse estágio, as cargas axiais e radiais estão nos menores valores possíveis. No caso de fluxo insuficiente, a velocidade mais baixa será inadequada para mover os sólidos através do sistema, causando entupimento.

Por outro lado, se a velocidade for muito alta, os sólidos podem não se quebrar, também levando ao entupimento. A carga radial aumenta em ambos os cenários, impactando negativamente a performance.

2. Minimização de ciclos

O número de ciclos de uma bomba pode ser minimizado pelo balanceamento das taxas de descarga e fluxo. Se o tanque de armazenamento for muito pequeno, pode ser necessário enchê-lo e esvaziá-lo diversas vezes – e a cada um ou dois minutos, há uma chance de criar ciclos mais curtos até que ocorra uma falha por superaquecimento. Menos ciclos vão garantir que o motor permaneça refrigerado e com capacidade de funcionar tranquilamente.

Para minimizar os ciclos, há algumas alternativas:

  • Escolher o tamanho certo de equipamento;
  • Aumentar o tamanho do recipiente;
  • Manter um nível e fluxo constantes.

3. Tamanho da bomba e da tubulação

Em sistemas de tratamento de água, que têm mais sólidos, para evitar entupimentos, é necessário trabalhar na velocidade sugerida pelo fabricante do equipamento. Quanto mais sólidos pesados e lodo, maior deve ser a velocidade de funcionamento.

A parte da bomba que causa um grande impacto na velocidade é a tubulação. É preciso mais velocidade em uma tubulação maior para evitar que os sólidos assentem e acabem causando entupimentos. Por outro lado, a cabeça do sistema aumenta em tubulações de tamanho menor, aumentando a fricção e reduzindo o fluxo. Por isso, é importante garantir que o tamanho da bomba e o tamanho da tubulação sejam correspondentes.

Dicas para equipamentos já instalados

Se você tem uma bomba anfíbia instalada, também há maneiras de minimizar os custos de reparos:

  • Ao invés de usar cabos de içamento, considere instalar um sistema de elevação;
  •  Um sistema de detecção de falhas (sensor de nível de fluído interno) gera alertas quando há algum vazamento, permitindo uma ação corretiva antes que sejam causados problemas maiores;
  • Mantenha uma rotina de manutenções preventivas de, no mínimo, uma vez ao ano (dependendo da aplicação), checando rotor, vedação, lubrificação e outros componentes;
  •  Antes do primeiro uso – e antes de colocar a bomba no reservatório, confira a rotação.

Aproveite sua bomba anfíbia com o máximo de eficiência

Estar atento a essas dicas e boas práticas simples te ajuda a aproveitar ao máximo sua bomba anfíbia, evitando dores de cabeça com manutenções que poderiam ser evitadas e períodos de desligamento.

Você sabe por que uma rotina de manutenções preventivas é essencial para o bom funcionamento de uma bomba de transferência de fluidos?