7 maneiras de melhorar a eficiência energética do seu equipamento

  • Post category:Helibombas
You are currently viewing 7 maneiras de melhorar a eficiência energética do seu equipamento

Confira dicas importantes para usar sua bomba de transferência de fluidos na melhor capacidade possível

Com a preocupação crescente com o meio ambiente em conjunto com a necessidade de redução de custos, a eficiência energética se tornou um tópico primordial para a indústria. Estudos comprovam que sistemas de bombeamento são responsáveis por 20% da demanda de energia no mundo. Só isso já mostra como o gasto de energia de uma bomba de transferência de fluidos deve ser levado seriamente em consideração.

Por isso, contar com estratégias para melhorar a eficiência energética de um equipamento precisa estar em pauta em qualquer empresa que faça bombeamento ou transferência de fluidos.

Como melhorar a eficiência energética da sua bomba

Separamos sete maneiras de garantir economia de energia em seus sistemas de bombeamento:

1. Evite superdimensionar a bomba

É comum encontrar dimensionamentos conservadores em especificações de bombas de transferência de fluidos, incluindo uma margem de segurança quando se trata da capacidade do equipamento em comparação ao que a aplicação exige. Como uma performance maior em termos de fluxo e pressão requer mais potência do motor, uma bomba superdimensionada pode resultar em um consumo de energia desnecessário.

Mesmo que um grau de superdimensionamento seja bom para compensar incertezas no processo, escolher uma bomba que operará o mais próximo possível do Melhor Ponto de Eficiência pode reduzir de maneira significativa o consumo de energia.

2. Ajuste o rotor

Se o equipamento está superdimensionado, ajustar o rotor é uma maneira relativamente boa de reduzir a pressão e o fluxo que são produzidos. Essa é uma opção mais eficiente do que usar uma válvula de estrangulamento para atingir o resultado exigido, por exemplo. No entanto, quando o rotor é cortado, o espaço entre ele e o revestimento aumenta, fazendo com que a eficiência seja menor que de um rotor de tamanho maior. Por isso, unidades de frequência variável são, normalmente, uma escolha melhor.

3. Use unidades de frequência variável

Como o próprio nome sugere, unidades de frequência variável alteram a velocidade rotacional do motor para alcançar a cabeça e a demanda de fluxo da aplicação, ao invés do que a bomba pode produzir. Elas são tipicamente utilizadas para limitar o uso desnecessário de energia em dois cenários: (1) diminuir a velocidade do motor em um equipamento que foi superdimensionado em um momento específico ou (2) quando há exigências diferentes em momentos diferentes. No segundo caso, a bomba precisa ser capaz de funcionar na capacidade máxima quando necessário, mas operar a menos que isso por longos períodos de tempo.

Ainda que seja preciso fazer um investimento financeiro para adquirir unidades de frequência variável, a economia de energia acaba justificando esses valores.

4. Conte com sistemas de bombeamento paralelo

O uso de múltiplos equipamentos é uma solução alternativa de economia de energia para um sistema com necessidades diferentes. Quando os requisitos de funcionamento são significantemente maiores que condições de operação normais, uma bomba pode passar a maior parte do seu tempo de vida operando muito longe do Melhor Ponto de Eficiência. Por isso, a instalação de um segundo equipamento de tamanho menor, específico para equilibrar a demanda do sistema, pode aliviar o peso da operação e garantir mais eficácia.

5. Limite a perda de pressão da tubulação

Otimizar a tubulação do sistema para limitar a queda de pressão por atrito é mais uma maneira de economizar energia, já que reduz a potência necessária para superar as perdas. Diâmetro, comprimento, layout interno, superfície e componentes instalados nos canos afetam a queda de pressão do sistema e, portanto, devem ser considerados quando se fala em melhorar o uso de energia.

No estágio de design, deve haver um esforço para minimizar o número de curvas, expansões e contrações na tubulação, mantendo-a a mais reta possível e com o mesmo diâmetro. No entanto, por conta de restrições de espaço, isso nem sempre é possível. Quaisquer ajustes e válvulas especificadas para a instalação também devem ter uma queda de pressão relativamente baixa.

Outro fator importante é que o diâmetro da tubulação deve ser cuidadosamente selecionado, já que diâmetros menores resultarão em mais fricção. A tubulação pode ser cara, especialmente se o fluido a ser bombeado exige materiais mais caros, como aço inox, assim há a tentação de um diâmetro menor. Corrosão e ferrugem podem aumentar a resistência em reduzir a perda de pressão, o que significa que investir na limpeza e na manutenção da tubulação também é essencial.

6. Elimine usos desnecessários

Isso pode parecer óbvio, mas é surpreendente o número de vezes que uma bomba de transferência de fluidos pode ser operada sem necessidade. Sistemas de controle podem ser implementados para desligar o equipamento quando não estiver em uso, por exemplo, e interruptores de pressão podem controlar o número de bombas em serviço. Isso garante que múltiplos equipamentos não sejam utilizados ao mesmo tempo quando não for necessário.

7. Faça manutenções frequentes

Manter uma boa rotina de manutenções na sua bomba também pode reduzir o consumo de energia, já que, assim como com qualquer tipo de equipamento, defeitos podem impactar a eficiência. Parte desse cuidado envolve a troca de anéis desgastados, o que é vital, já que essas peças, quando com defeitos, podem causar vazamentos.

Garanta a melhor eficiência energética em seus equipamentos

Seguir essas dicas te ajudar a garantir o melhor uso de suas bombas de transferência de fluidos, garantindo o cuidado com o meio ambiente e processos muito mais econômicos.